sexta-feira, setembro 20, 2019
Home > Artigos > 7 erros comuns na escolha de um ERP

7 erros comuns na escolha de um ERP

Receita cobra R$ 1,6 bilhão de empresas no novo Refis

A cada dia que passa, o uso de um ERP (Sistema de Gestão Empresarial, na sigla em inglês) tem se tornado imprescindível em organizações de diversos tamanhos e segmentos. Esse tipo de sistema é concebido para atender às demandas da maioria das áreas de uma empresa de maneira integrada, dando aos gestores do negócio importantes ferramentas para o controle de operações e planejamento.

Mas para que tudo isso seja verdadeiro na prática, o processo de escolha precisa ser muito bem delineado. Acredite, vários casos de insucesso na implementação de ERPs estão diretamente relacionados a escolhas malfeitas. Selecionamos os sete erros mais comuns que podem ser evitados, minimizando custos, frustrações e desgastes durante a implementação. São eles:

 

1 – Não definir previamente as necessidades e prioridades da empresa: Além de entender as necessidades, é preciso também identificar o real objetivo de implantar o novo sistema;

 

2 – Deixar de criar um grupo (comitê) com autonomia para tomar decisões: É primordial que esse comitê seja formado e, de preferência, composto por participantes das diversas áreas da empresa;

 

3 – Ignorar uma avaliação técnica dos sistemas: É importante saber se eles estão seguindo as tendências e se empresas do mesmo ramo de atividade os utilizam, ou seja, se são aderentes ao seu negócio;

 

4 – Esquecer de comparar os sistemas levando em conta bases homogêneas: A comparação deve ser feita priorizando os processos mais importantes para a empresa e a integração com seus sistemas legados. Afinal, nem todos podem ser aderentes, mas a solução como um todo pode;

 

5 – Desconhecer a capacidade e experiência de implementação dos parceiros disponíveis: É o mínimo para garantir o sucesso de um novo projeto ERP, além de avaliar comprometimento, metodologia utilizada e nível de conhecimento dos consultores que estarão envolvidos.

 

6 – Desconsiderar a melhor infraestrutura para suportar o ERP, em termos tecnológicos e econômicos: Nunca deixe de ter em vista as tendências do mercado, como por exemplo, a Cloud Computing;

 

7 – Não avaliar todas as variáveis financeiras: Preveja no mínimo três anos de vida, tais como:

– Infraestrutura inicial e seu crescimento;

– Valor de compra ou locação de licenças do ERP;

– Custos de implementação;

– Custos de integração com seu legado;

– Custos de manutenção;

– Custos de acompanhamento pós-implementação.

 

É muito importante lembrar que o processo de implementação de um ERP em uma empresa traz consigo uma grande carga de mudanças, que devem ser geridas com muito cuidado para evitar o insucesso da implementação e da operação.

conheça os sistemas de gestão contábil e empresarial da SuperSoft Sistemas